Antônio

Antônio

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Fraldas

Uma das primeiras recordações que tenho da minha maternidade, foi quando, grávida de Bento, comprei as fraldas e o cheirinho sempre me remete àquele momento de felicidade extrema da espera do meu primeiro filho, o que me tornou mãe. 
Amigos para sempre

Me lembro saudosa daquele bumbum recheado de fraldas, como é gostoso essa fase.

Mas, e quando as fraldas deixam de ter esse caráter provisório e passam a ser uma condição permanente? Como lidar com isso? Como explicar ao seu pequeno filho que, apesar de todos os coleguinhas não usarem fraldas, ele tem que usar?

Como tudo que envolve a mielo, essa não é uma situação fácil. Aliás, acho que eu falo demais isso né? Tal coisa não é fácil, isso não é fácil... bom, o fato é que não é fácil mesmo!

Existe toda uma questão psicológica. As vezes imaginamos que não existe um entendimento por parte da criança no usar a fralda, porém, somos surpreendidos com questionamentos, que muitas vezes não estamos preparados. O fato de ter um filho mais velho ajuda muito nesse comparativo. Já fui surpreendida por duas vezes com um pedido inusitado do Antônio: "Mãe, quero fazer xixi". 

Esse pedido pode ou não (não dá pra avaliar ainda) estar associado com a necessidade de fazer xixi, muito provavelmente se deve pelo comparativo, por ver o irmão, os coleguinhas pedirem pra fazer xixi no banheiro. Enfim, são situações que acontecem sem que esperemos mesmo. Nesse caso, eu opto sempre por tratar o assunto com a realidade, da maneira mais normal possível, mas, sem desvirtuar o tema. 

O problema maior é que como a demanda é pequena, não existe muitas opções para aquela janela em que a criança, nem é um bebê e nem um adulto. No caso do meu filho que é cadeirante, as perninhas tendem a atrofiar e serem fininhas, o que vai dificultar um pouco quando ele chegar nessa fase.

Sempre trocamos idéias sobre marcas, muitas mães precisam realmente fazer adaptações caseiras para que não ocorra vazamentos, enfim, é mais uma luta que teremos pela frente.

No intuito de ajudar quem já está nessa janela, gostaria de pedir a vocês sugestões e marcas de fraldas que atendam a criança nesse período de transição. Me mandem contatos de fornecedores de fraldas, para que eu possa entrar em contato, conhecer e divulgar aqui. Saibam que estarão prestando um bem enorme a centenas de famílias.


terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Uma linda bailarina chamada Manuela

No último sábado aconteceu o encerramento do projeto de Antônio na escola, o tema desse ano foi circo.

Confesso que sempre fico um pouco apreensiva com apresentações de Antônio, sou mãe e a única coisa que queria era poder proteger ele de tudo. Confesso também que isso é insegurança minha, das grandes.

Recebi um monte de informes, sobre o que ele iria vestir, qual personagem iria representar, o que deveríamos mandar... Ele escolheu ser malabarista. No dia não queria de maneira nenhuma vestir o shortinho colorido.

Vi todas as crianças chegando cada uma mais linda que a outra, enfeitadas, lá estava meu "cadeirinha" sorrindo, feliz. A professora levou ele e as cortinas se fecharam. Meu coração ficou pequeno... Como ele iria se apresentar?

Começou e ele todo animado, cantou, dançou, balançou os braços. Chegou a hora das apresentações por personagem. Os malabaristas foram os primeiros. Gente, nesse momento, uma colega dele chamada Manuela, começou a ajudar ele a se apresentar. Foi muito emocionante.

Me pergunto em que momento ficamos tá preconceituosos? O que motiva esse sentimento tão egoísta.

Agradeço a Deus por meu filho ter a oportunidade de conviver com crianças tão maravilhosas como a da turminha dele. Crianças que realmente o amam, que o ajudam, o inserem e o aceitam do jeitinho que ele é. Obrigada Manu, pela criança maravilhosa que você é. Agradeço a suas pais por criarem um ser humano maravilhoso. Nunca vou esquecer esse momento.

Assistam o vídeo. É lindo.