Antônio

Antônio

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

A mielo e a culpa

Meu parceiro
Hoje o post é pra tratar de um sentimento que acomete todas as mães. Algumas mais, outras um pouco menos, mas, em algum momento acaba acontecendo.

Esse sentimento é a culpa.

Ao receber o diagnóstico, você está numa sala fria de ultrassonografia, com um médico desconhecido (muitas vezes), pensando um monte de coisas ao mesmo tempo, chorando e naquele turbilhão de emoções, você, na sua cabeça faz a pergunta: O que eu fiz pra que ele tivesse mielo?

Mãe, você não fez nada. Acredite, a culpa não é sua, nem do pai da criança, nem da conjuntura astral. Essas coisas simplesmente acontecem. A carência de ácido fólico é um dos fatores que favorecem a má formação, mas, quantas mulheres planejaram uma gravidez, tomaram o ácido fólico até um ano antes, e mesmo assim a criança nasceu com mielo? Centenas!

No meu caso, até um comprimido de dipirona eu associei pra justificar essa culpa que eu sentia. Que ódio que eu senti da dipirona!

Enfim, a partir desse momento, eu quero te pedir uma coisa: pare de se culpar! Fortaleça a sua relação com o pai dessa criança, vocês precisam enfrentar tudo que virá daqui pra frente juntos. Faça o enxoval lindo, arrume o quartinho, se prepare para a amamentação. Seu filho vai ser lindo, perfeitinho, só vai precisar de mais cuidados do que de costume. Pense que, apesar de ter que ficar um tempo internado, ele vai sair do hospital e o cantinho dele tem que estar pronto.

Não pense em sequelas nesse momento, viva, curta e aproveite sua gestação. Fortaleça a sua fé, seja ela qual for, isso vai te ajudar muito durante a sua jornada. Vá ao hospital que ele for nascer, conhece a equipe da UTI neonatal, busque um bom neurocirurgião pediátrico, ele vai te ajudar tirando a maioria das suas dúvidas.

Se a sua descoberta for antes da 26 semana, entra em contato comigo yanna.rocha@gmail.com Hoje a cirurgia intra-útero é uma realidade. Aqui na Bahia temos uma equipe fantástica que realiza com sucesso.

Conte sempre comigo. Mesmo num turbilhão de desespero que sei que você está vivendo hoje, você não está sozinha. Mesmo sem te conhecer eu quero te ajudar.




4 comentários:

  1. Yanna, parabéns pelo seu engajamento na causa e pela forma como conduz a sua situação pessoal! Te admiro muito!
    Tenho uma dúvida com relação a essa cirurgia intrauterina: ela é feita para minimizar as sequelas da má formação ou para corrigir, fazendo com que a criança não apresente sequela nenhuma?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ariane, obrigada por suas palavras.

      A cirurgia não é a cura infelizmente, ela auxilia na minimização das sequelas e tem resultados muito positivos quanto ao uso da válvula. A grande maioria das crianças operadas intra-útero não desenvolvem a hidrocefalia, o que já é um grande avanço. Outras sequelas do trato urinário e fecal são melhoradas. Existem casos de crianças que nasceram sem nenhuma sequela, conheço um, mas, provavelmente a enervação não foi comprometida com a exposição da mielo.

      Um beijo!

      Excluir
    2. Obrigada pelas explicações! ;)

      Beijos

      Excluir
  2. Olá Yanna tudo bem?

    Estou passando por esse momento de culpa e fico à me perguntar .Oque eu fiz senhor pro meu filho pagar tão caro ele não merece isso 😖

    ResponderExcluir