Antônio

Antônio

quarta-feira, 19 de março de 2014

Ser mãe, uma opção.

Outro dia, estava no Facebook e me deparei com um post de uma mãe de uma linda mielinha, comentando sobre um texto de título "Eu odeio ser mãe".

Li o texto completo, inclusive os comentários e parei por longos minutos tentando digerir o que tinha acabado de ler. Em primeiro lugar, não estou aqui para julgar ninguém, vou apenas expor a minha opinião.

Ser mãe é uma opção, isso é um fato. Você pode viver uma vida inteira sem procriar, pois, você mulher, é dona de seu corpo e de suas escolhas.

Ser mãe é entregar-se diariamente a dor e a delícia de educar um outro ser humano.

Após ler o texto, estarrecida que estava, voltei analisando paragrafo por paragrafo para entender qual a mensagem oculta daquelas linhas. Cheguei a conclusão de que ali estava uma pessoa muito individualista. Ela chegava a questionar o amor que a mãe dela sentia por ela.

Gente, ninguém disse que seria fácil ser mãe. Seu corpo muda, suas escolhas mudam, sua vida muda muito, porém, se você escolheu passar por isso e ainda assim não se comover com uma coisa linda, cheirosa, sorridente e que TE AMA e CONFIA sem pestanejar, é porque colega, o problema é muito mais embaixo e você precisa rever sua vida.

Tenho dois filhos, amo-os com toda a força do meu coração. Quando descobri que Antônio nasceria com mielo eu fiz a opção de parir o meu filho, independente de como ele viria ao mundo, pois, Deus me confiou aquela vida, em algum momento Antônio me escolheu como mãe, e porque eu sou mulher, sou valente, sou agreste o suficiente pra aguentar qualquer problema. Eu amei meu filho desde o teste de gravidez, e o amei muito mais quando descobri que ele dependeria muito de mim. Bento da mesma maneira.

Foi uma escolha minha. Eu os quis e amá-los não é sacrifício, não é opção, eu os amo porque amo e pronto.

Então assim, eu prefiro acreditar que as pessoas que se julgam incapazes de amar seus filhos, tenham como problemas a individualidade, ou simplesmente o egoísmo inato de acreditar que são capazes de repudiar um instinto tão forte como o materno.

Um forte abraço a todos.

3 comentários:

  1. Ser mae e uma benção! Algo divino, sublime!

    ResponderExcluir
  2. Desculpa perguntar tão na lata: vc não tem medo do que vai ser dos seus filhos quando vc e seu marido se forem?
    Não quero ser irônica, mas é uma dúvida que eu tenho em relação a pais de crianças deficientes..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Paula, tudo bem? O medo que eu sinto é exatamente igual ao que sua mãe sentiu quando você nasceu. O fato de ser deficiente, nem sempre significa que o indivíduo seja incapaz, na grande maioria das vezes eles são muito independentes, que é o caso de meu filho. Porém, o medo não é maior que o amor e a felicidade que sinto por ser mãe de dois lindos garotos.

      Excluir