Antônio

Antônio

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Fraldas

Uma das primeiras recordações que tenho da minha maternidade, foi quando, grávida de Bento, comprei as fraldas e o cheirinho sempre me remete àquele momento de felicidade extrema da espera do meu primeiro filho, o que me tornou mãe. 
Amigos para sempre

Me lembro saudosa daquele bumbum recheado de fraldas, como é gostoso essa fase.

Mas, e quando as fraldas deixam de ter esse caráter provisório e passam a ser uma condição permanente? Como lidar com isso? Como explicar ao seu pequeno filho que, apesar de todos os coleguinhas não usarem fraldas, ele tem que usar?

Como tudo que envolve a mielo, essa não é uma situação fácil. Aliás, acho que eu falo demais isso né? Tal coisa não é fácil, isso não é fácil... bom, o fato é que não é fácil mesmo!

Existe toda uma questão psicológica. As vezes imaginamos que não existe um entendimento por parte da criança no usar a fralda, porém, somos surpreendidos com questionamentos, que muitas vezes não estamos preparados. O fato de ter um filho mais velho ajuda muito nesse comparativo. Já fui surpreendida por duas vezes com um pedido inusitado do Antônio: "Mãe, quero fazer xixi". 

Esse pedido pode ou não (não dá pra avaliar ainda) estar associado com a necessidade de fazer xixi, muito provavelmente se deve pelo comparativo, por ver o irmão, os coleguinhas pedirem pra fazer xixi no banheiro. Enfim, são situações que acontecem sem que esperemos mesmo. Nesse caso, eu opto sempre por tratar o assunto com a realidade, da maneira mais normal possível, mas, sem desvirtuar o tema. 

O problema maior é que como a demanda é pequena, não existe muitas opções para aquela janela em que a criança, nem é um bebê e nem um adulto. No caso do meu filho que é cadeirante, as perninhas tendem a atrofiar e serem fininhas, o que vai dificultar um pouco quando ele chegar nessa fase.

Sempre trocamos idéias sobre marcas, muitas mães precisam realmente fazer adaptações caseiras para que não ocorra vazamentos, enfim, é mais uma luta que teremos pela frente.

No intuito de ajudar quem já está nessa janela, gostaria de pedir a vocês sugestões e marcas de fraldas que atendam a criança nesse período de transição. Me mandem contatos de fornecedores de fraldas, para que eu possa entrar em contato, conhecer e divulgar aqui. Saibam que estarão prestando um bem enorme a centenas de famílias.


terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Uma linda bailarina chamada Manuela

No último sábado aconteceu o encerramento do projeto de Antônio na escola, o tema desse ano foi circo.

Confesso que sempre fico um pouco apreensiva com apresentações de Antônio, sou mãe e a única coisa que queria era poder proteger ele de tudo. Confesso também que isso é insegurança minha, das grandes.

Recebi um monte de informes, sobre o que ele iria vestir, qual personagem iria representar, o que deveríamos mandar... Ele escolheu ser malabarista. No dia não queria de maneira nenhuma vestir o shortinho colorido.

Vi todas as crianças chegando cada uma mais linda que a outra, enfeitadas, lá estava meu "cadeirinha" sorrindo, feliz. A professora levou ele e as cortinas se fecharam. Meu coração ficou pequeno... Como ele iria se apresentar?

Começou e ele todo animado, cantou, dançou, balançou os braços. Chegou a hora das apresentações por personagem. Os malabaristas foram os primeiros. Gente, nesse momento, uma colega dele chamada Manuela, começou a ajudar ele a se apresentar. Foi muito emocionante.

Me pergunto em que momento ficamos tá preconceituosos? O que motiva esse sentimento tão egoísta.

Agradeço a Deus por meu filho ter a oportunidade de conviver com crianças tão maravilhosas como a da turminha dele. Crianças que realmente o amam, que o ajudam, o inserem e o aceitam do jeitinho que ele é. Obrigada Manu, pela criança maravilhosa que você é. Agradeço a suas pais por criarem um ser humano maravilhoso. Nunca vou esquecer esse momento.

Assistam o vídeo. É lindo.



segunda-feira, 24 de novembro de 2014

A mielo e a culpa

Meu parceiro
Hoje o post é pra tratar de um sentimento que acomete todas as mães. Algumas mais, outras um pouco menos, mas, em algum momento acaba acontecendo.

Esse sentimento é a culpa.

Ao receber o diagnóstico, você está numa sala fria de ultrassonografia, com um médico desconhecido (muitas vezes), pensando um monte de coisas ao mesmo tempo, chorando e naquele turbilhão de emoções, você, na sua cabeça faz a pergunta: O que eu fiz pra que ele tivesse mielo?

Mãe, você não fez nada. Acredite, a culpa não é sua, nem do pai da criança, nem da conjuntura astral. Essas coisas simplesmente acontecem. A carência de ácido fólico é um dos fatores que favorecem a má formação, mas, quantas mulheres planejaram uma gravidez, tomaram o ácido fólico até um ano antes, e mesmo assim a criança nasceu com mielo? Centenas!

No meu caso, até um comprimido de dipirona eu associei pra justificar essa culpa que eu sentia. Que ódio que eu senti da dipirona!

Enfim, a partir desse momento, eu quero te pedir uma coisa: pare de se culpar! Fortaleça a sua relação com o pai dessa criança, vocês precisam enfrentar tudo que virá daqui pra frente juntos. Faça o enxoval lindo, arrume o quartinho, se prepare para a amamentação. Seu filho vai ser lindo, perfeitinho, só vai precisar de mais cuidados do que de costume. Pense que, apesar de ter que ficar um tempo internado, ele vai sair do hospital e o cantinho dele tem que estar pronto.

Não pense em sequelas nesse momento, viva, curta e aproveite sua gestação. Fortaleça a sua fé, seja ela qual for, isso vai te ajudar muito durante a sua jornada. Vá ao hospital que ele for nascer, conhece a equipe da UTI neonatal, busque um bom neurocirurgião pediátrico, ele vai te ajudar tirando a maioria das suas dúvidas.

Se a sua descoberta for antes da 26 semana, entra em contato comigo yanna.rocha@gmail.com Hoje a cirurgia intra-útero é uma realidade. Aqui na Bahia temos uma equipe fantástica que realiza com sucesso.

Conte sempre comigo. Mesmo num turbilhão de desespero que sei que você está vivendo hoje, você não está sozinha. Mesmo sem te conhecer eu quero te ajudar.




quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Novidades da Cirurgia Intrauterina do Nordeste

Ontem, 02/09/2014, nós da APAMBA, Paulinha, Gustavo e eu tivemos o prazer de nos reunir com a equipe médica responsável pela primeira cirurgia intra-uterina de correção de mielo da Bahia.

Não tenho com descrever em palavras o que senti durante a reunião. O comprometimento da equipe, a união, o querer ajudar o próximo, a emoção foi geral, ninguém segurou as lágrimas.

A emoção do Dr. Paulo, idealizador da cirurgia, suas lágrimas, foram surreais. Aquela vitória foi merecida.

Quero deixar registrado o meu agradecimento a todos. Essa cirurgia entrou para a história. Hoje sei que muitas famílias terão suas vidas mudadas. Apesar de não configurar a cura, é um grande avanço em qualidade de vida para o paciente.

A cirurgia fetal é uma realidade na Bahia. Foi realizada no Hospital Maternidade Climério de Oliveira, 100% SUS, 100% gratuita, com excelência de hospital particular.

Hoje, posso dizer de coração explodindo de felicidade: Nós temos cirurgia intra-uterina na Bahia.

Se você conhece alguma gestante que descobriu o diagnóstico, me manda um e-mail yanna.rocha@gmail.com

Nós podemos ajudar essa família!


Obrigada Anjos!

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Primeira Cirurgia Intra-uterina na Bahia

É com imenso prazer que anuncio que no dia 28/08/2014 foi realizada a primeira cirurgia intra-uterina de correção de mielomeningocele da Bahia.

O médico responsável foi o Neurocirurgião Pediátrico Dr. José Roberto Tude e eu estou tão emocionada que estou aqui escrevendo e escrevendo e as lágrimas escorrendo e escorrendo.

Esse é um marco no tratamento da mielomeningocele. O que eu vislumbro de futuro? Vislumbro muitas crianças que terão a chance de terem suas sequelas radicalmente reduzidas.

Eu torci muito por isso e tinha CERTEZA que seria pelas mãos abençoadas de Dr. Tude que teríamos essa vitória.

Ainda não tenho muitas informações, mas, deixo o meu e-mail aqui yanna.rocha@gmail.com para que vocês possam entrar em contato e saber mais!

Obrigada Tude, acima de tudo pela sua humanidade! Te amoooooo

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Novidade e mais novidades

Bem amigos, esse mês de abril está cheio de novidades.

Renata, eu e Ana. Obrigada pelo apoio amigas
No início de abril, mais precisamente no dia 02, é o dia da conscientização sobre o autismo, é o dia em que as pessoas que vivem, ou militam em prol da causa se vestem de azul para alertar a população sobre o autismo. Todos os anos me visto de azul e esse ano tive a grata surpresa de ter o apoio de minhas colegas do trabalho. Fiquei muito emocionada e agradecida pelo gesto.

Nesse mês de abril, também foi o período de revisão com Dr. Tude. Como vocês sabem, as visitas em Tude sempre me deixam nervosa e apreensiva. Bom, infelizmente, Antônio vai ter que trocar novamente a válvula. Ainda não consegui digerir a notícia. Meu pequeno filho novamente vai ser operado.

Após a avaliação ficou claro que o desvio padrão do perímetro cefálico dele aumentou além do esperado. Trocando em miúdos, a cabeça está muito grande.

A válvula está funcionando, porém, não está drenando a líquido da maneira como deveria e ele tem se acumulado. Ele não apresenta nenhum sintoma, além da macrocefalia. Está ativo, dorme e come bem.

O cognitivo está desenvolvendo muito. A interação social melhorou bastante, a vocalização.

Adora tudo o que é eletrônico. Viciado em celular, acaba ligando e desconfigurando tudo.

Estou daquele jeito. A briga com o plano de saúde já começou para a liberação da ressonância magnética. É muito desgaste, é muita briga. Já não bastasse a devastação psicológica de imaginar meu filho cheio de pontos e com dor, ainda tem todo o circo que antecede. Só Deus para dar forças mesmo.

Marcaremos a cirurgia no próximo dia 29/04, é pedir a Deus aceitação e força para mais essa provação. Como eu queria poder trocar de lugar com ele. Eu suportaria sem reclamar todas as provações do meu filho. Eu queria poder fazer mais.

domingo, 23 de março de 2014

Episódio de hoje: Infecção urinária


Boa noite amigos, tive um fim de semana frenético com Antônio.

Na noite de sábado para domingo, Antônio começou com um quadro febril muito intenso. Mediquei, a febre baixou, esperei para levá-lo ao médico na segunda.

As 03 da manhã acordamos sobressaltados. Antônio estava com muita febre, delirava, se tremia todo, entrei em pânico. Nesses três anos de vida, esse foi o quadro mais grave de febre. Coloquei ele embaixo do chuveiro, precisava baixar a febre rápido para ele não convulsionar, essa era a minha maior preocupação. Sentia em meu peito que ele estava muito próximo da convulsão, dei um a
ntitérmico e partimos em busca de uma emergência pediátrica.

Depois de ir em dois lugares sem sucesso, partimos para o Hospital São Rafael. Cheguei lá chorando muito, com muito medo de algo acontecer com ele. Fomos logo atendidos. A febre continuava muito alta. Colheram a urina e deram mais medicamento pra baixar a febre.

Infecção urinária é uma realidade do portador de mielomeningocele, se fizer mil sumários, os mil darão alterados. É nesse momento que entra o conhecimento. Não é todo quadro que precisa ser tratado pessoal, lembre-se que muitas vezes, tratando um quadro que pode ser controlado de outra maneira, você expulsa uma bactéria simples e dá espaço para uma mais resistente. Tem que ter tato nesse momento.

O sumário de Antonio voltou com nitrito positivo, numerosas bactérias e leuco muito alto. A febre dele chegou a 39,3 graus. Com esse quadro, não tem o que discutir, tem que tratar. Já entramos com antibióticos, porém, ele ainda está fazendo febre. A médica já me adiantou que ele poderia apresentar até por 02 dias. Estamos tranquilos e monitorando.

É um susto, é chato. Começo a me questionar onde está o erro. Somos muito cuidadosos com a rotina dele, onde foi que falhamos? Que houve falha houve, basta saber onde foi.

Agora é redobrar os cuidados.

MOMENTO AGRADECIMENTO

Fiquei muito feliz com um grande carinho que recebi do DR. José Roberto Tude esse fim de semana. Ele foi entrevistado e gentilmente falou do nosso trabalho com a APAMBA.

Quero agradecer do fundo do coração pelas palavras Dr. Tude. O senhor sabe da profunda admiração que tenho pelo seu trabalho. Sei também que o senhor é modesto demais, mas amor é
amor e pronto. Tenho que declarar rssss. Obrigada por tudo e pode mandar pra gente todas as mães que por ai aparecerem.

Segue link da entrevista na íntegra. Assistam tudo, vale a pena. Ele tira muitas dúvidas!

CLICA AQUI PRA ASSISTIR  A ENTREVISTA BRASEEEEL

quarta-feira, 19 de março de 2014

Ser mãe, uma opção.

Outro dia, estava no Facebook e me deparei com um post de uma mãe de uma linda mielinha, comentando sobre um texto de título "Eu odeio ser mãe".

Li o texto completo, inclusive os comentários e parei por longos minutos tentando digerir o que tinha acabado de ler. Em primeiro lugar, não estou aqui para julgar ninguém, vou apenas expor a minha opinião.

Ser mãe é uma opção, isso é um fato. Você pode viver uma vida inteira sem procriar, pois, você mulher, é dona de seu corpo e de suas escolhas.

Ser mãe é entregar-se diariamente a dor e a delícia de educar um outro ser humano.

Após ler o texto, estarrecida que estava, voltei analisando paragrafo por paragrafo para entender qual a mensagem oculta daquelas linhas. Cheguei a conclusão de que ali estava uma pessoa muito individualista. Ela chegava a questionar o amor que a mãe dela sentia por ela.

Gente, ninguém disse que seria fácil ser mãe. Seu corpo muda, suas escolhas mudam, sua vida muda muito, porém, se você escolheu passar por isso e ainda assim não se comover com uma coisa linda, cheirosa, sorridente e que TE AMA e CONFIA sem pestanejar, é porque colega, o problema é muito mais embaixo e você precisa rever sua vida.

Tenho dois filhos, amo-os com toda a força do meu coração. Quando descobri que Antônio nasceria com mielo eu fiz a opção de parir o meu filho, independente de como ele viria ao mundo, pois, Deus me confiou aquela vida, em algum momento Antônio me escolheu como mãe, e porque eu sou mulher, sou valente, sou agreste o suficiente pra aguentar qualquer problema. Eu amei meu filho desde o teste de gravidez, e o amei muito mais quando descobri que ele dependeria muito de mim. Bento da mesma maneira.

Foi uma escolha minha. Eu os quis e amá-los não é sacrifício, não é opção, eu os amo porque amo e pronto.

Então assim, eu prefiro acreditar que as pessoas que se julgam incapazes de amar seus filhos, tenham como problemas a individualidade, ou simplesmente o egoísmo inato de acreditar que são capazes de repudiar um instinto tão forte como o materno.

Um forte abraço a todos.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Novidades no Cateterismo

SpeediCath
Olá amigos,

Em se tratando de rotina de um portador de mielo, acredito que a que nos ocupa (e porque não preocupa?) é justamente o cateterismo.

Muitos de nós mães e pais, somos apresentados a essa nova realidade de maneira bruta mesmo, simplesmente chegam e dizem: Ó, a partir de agora seu filho tem que esvaziar a bexiga de  ou horas, a senhora/senhor tem que usar a sonda e esperar drenar todo xixi.

Me lembro bem quando fui apresentada a essa nova realidade, fiquei lá, com a boca daquele tamanho, me perguntando: Fia, como é que uma contadora vai dar conta disso. Chorei, chegava me arrepiar com medo dele estar sentindo dor ou desconforto. Com o tempo me acostumei. Hoje, o CAT ou CIL é natural aqui em casa.

Ainda que tenha se tornado natural, sempre me perguntei se o fato de passar sonda tantas vezes não causaria algum trauma... eis que esse temido trauma ocorreu. Uma das meninas que tomavam conta dele, quando a sonda chegava no esfíncter e que dá aquela paradinha básica, ficava fazendo movimento de vai e vem com a sonda, até que feriu alguma coisa. Ele começou a perder sangue pela urina e tivemos que suspender o cateterismo e o RETEMIC até que normalizasse.

Ontem, fui apresentada a uma nova realidade em termos de Cateterismo. Conheci o SpeediCath da Coloplast. O SpeediCath é uma sonda que já vem prontinha para o uso inclusive lubrificada. A sonda é firme e é muito fácil de usar. Fiquei apaixonada. Uma enfermeira da empresa veio na minha casa e me ensinou como usar, me deu toda a orientação.O tipo de material que é feita a sonda e o lubrificante dela, diminui o risco de trauma.

Fácil de abrir
É muito fácil receber esse tipo de atendimento, ligue gratuito para 0800 285 86 87 e faça o cadastro do paciente que eles enviam uma pessoa para apresentar o produto.

Como sempre né colegas, tudo que é bom ou dura pouco ou custa caro, o SpeediCath é bem mais caro que a sonda convencional, porém, é um direito de qualquer cidadão brasileiro, receber qualquer material para uso continuo, desde que o médico ateste a necessidade.

O primeiro passo para conseguir é conseguir junto ao urologista a solicitação do material, lembrando que tem que vir especificado o tipo da sonda, o calibre e a quantidade. De posse disso precisa dar entrada no MP para conseguir. É sempre bom ter uma orientação de um advogado. Aqui em Salvador, podemos contar com a AOEBA - Associação dos Ostomizados do Estado da Bahia, lá tem uma assessoria jurídica que está abraçando os pedidos de outros pacientes que fazem uso do Cateterismo Intermitente, o e-mail de lá é contato.aoeba@gmail.com

Segundo informações demora de 4 a 5 meses para que o processo seja concluído na justiça, segunda já darei entrado no meu.

A APAMBA, nossa pequena associação também está abraçando a causa e vamos fazer de tudo para que o maior número de pessoas ingressem no MP para conseguir esse tipo de sonda. O que tiver de melhor no mercado, estarei brigando para que Antonio e seus amigos tenham acesso.
Depois de usada

Já é o segundo dia usando e estou muito satisfeita com a utilização. Quero que todo mundo conheça.

O pessoal ai de fora do Brasil, entrem no site www.coloplast.com e cadastrem-se no programa no seu país, vale muito a pena.

Qualquer dúvida, qualquer mesmo, me mandem um e-mail no yanna.rocha@gmail.com

Já falei aqui e repito, todo cuidado com o trato urinário ainda é pouco. O que podermos fazer pra preservar essa parte, para que nossos filhos tenham uma vida adulta digna e normal, vale o esforço. Contem comigo sempre.




sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

A nova escola

Primeiro dia de aula
Amigos
Olá pessoal, tudo bem?

Eis que a vida segue, as coisas vão se adaptando e chegamos ao tão esperado primeiro dia de aula dos meus filhos. Escola nova, vida nova, nóias novinhas.

Esse ano foi bem diferente para mim, estou trabalhando em uma empresa e sigo horários que não me permitem a flexibilidade de antes. Fiquei com o coração partido por não estar com meus filhos neste momento, mas, aprendi às duras penas que o sofrimento é maior para a mãe do que para os filhos.

Tivemos um contato anterior as aulas e fiquei encantada com a metodologia e jeito que a equipe tem com as crianças.

O pai esta acompanhando este momento, então, muito do que falo aqui são expressões dele. Já cansei de pedir que ele escreva aqui... enfim...

A aceitação foi muito boa, na verdade nunca tivemos maiores problemas com o ir pra escola dos meninos, eles sempre adoraram.

Na turma de Antônio, as mães fizeram um grupo no Watsapp e posso acompanhar por vídeo a rotina de Antônio. Obrigada meninas, vocês nem imaginam como é bom ver meu filhinho na escola.

video
Nos vídeos eu percebo que ele ainda tende a se isolar, a linguagem oral melhorou muito, mas, percebo que ele tem ficado diferente. Percebam que ele passa atrás, e vai para um lugar mais reservado.

video
Pelos vídeos percebo que as crianças não brincam com ele, gente como dói. Eu sei que ele tem que passar por isso, mas, a vontade que tenho é de tomar o lugar dele.

Preciso ter paciência, preciso pedir a Deus aceitação, preciso acreditar que tudo vai ficar bem.

Os três anos de Antônio

Meu filho fez 3 anos no último dia 22 de janeiro. Já era pra eu ter postado aqui sobre isso mas, ando relapsa demais aqui com o blog (sorry...)

Nesses 3 anos, sem contar os meses de gravidez, muita coisa aconteceu. Me recordo do diagnóstico e me pergunto: como eu consegui ficar de pé naquele dia?

Não é fácil esse momento do diagnóstico. Quando você engravida, você idealiza um filho perfeito, saudável e do nada vem a notícia que aquele filho idealizado não existe. É muito forte.

Em contrapartida, não todas as mulheres, mas, a grande maioria delas, recebem uma carga extra de energia e força para lutar que são fora do comum. Eu sempre fui muito determinada, hoje, costumo brincar com meus amigos que virei um bicho em matéria de determinação.

Me tornei uma inconformada, no bom sentido. Nunca aceito um diagnóstico, uma terapia, ou qualquer coisa que seja, sem antes discutir muito com o profissional e pedir a segunda, terceira... milésima opinião.

Gente, eu amo meu filho demais, tudo o que quero nessa vida é a felicidade e independência dele.

Hoje em particular estou muito pra baixo.

Eu já pronta para ir pro trabalho e Bentinho me fez a seguinte pergunta: Mainha, quando Antônio crescer um pouco mais ele vai andar e correr comigo? #oremos

Eu sabia que esse questionamento viria, só não pensei que seria hoje, as 06:30 da manhã. Confesso que não estava preparada pra pergunta. Já atrasada, achei melhor sentar um pouco, colocá-lo no colo e ter uma conversa bem sincera. Expliquei de forma natural, que não seria possível nosso Tony correr como ele, mas, do jeito dele, com a ajuda da cadeirinha, ele correria.

Não me sai bem com a explicação. A resposta que ele me deu foi "porque ele é assim mamãe?" e "ele é muito chato na cadeirinha". Fui para o trabalho triste, frustrada, e sem rumo.

Por mais que a experiência venha, simplesmente não estamos preparados para uma série de coisas. É normal, acontece. Dói? Pra caramba. Essa é a vida, não dá pra fugir dessas surpresas.

Sigo tentando gerenciar meus dois filhos, com suas particularidades e buscando sempre que eles permaneçam unidos, que se amem e que sempre se protejam. Sei que vou conseguir.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Super atualização

Genteeeee, como estou sumida! Tenho um monte de coisas para contar a vocês. Vamos fazer uma retrospectiva desses 30 dias, muita coisa boa aconteceu neste tempo.

Em primeiro lugar, consegui, enfim, organizar a minha casa. Parti do principio que, se deu pra arrumar bem, se não, deixei na caixa e fechei a porta do quarto da literal bagunça. Tudo aqui na casa nova é improvisado, falta armário, e as coisas tendem a se amontoar.
Antes - bagunça total

Depois - Casa arrumada












 O Natal e Reveillon foram em família, sentindo alguma falta do que deixamos para trás e brindando o novo, foi muito legal. Meus sobrinhos e irmãos compartilharam conosco da virada e quando foram embora não segurei as lágrimas.

Minha irmã e meus sobrinhos
Amigos
Recebemos com muita alegria, a mamãe Adria e seu mielinho Lucca. Fiquei apaixonada por Lucca, tão doce, carismático, uma figurinha.

Mayana, e os mielos
Pobre Aaron
Antônio é meio resistente às mudanças, mas, Bento foi super legal e ambientou o Lucca de uma maneira que chegou a emocionar. Foi uma farra com os cachorros!

Adria, Lucca, Mayana e Antonio na praia


Adria tem dificuldade em fazer o Lucca comer e beber água, conseguimos grandes avanços na ingesta de água, ele aceitou bem e tomava com vontade muita água. Ele foi aceito no programa do Sarah e tenho certeza que agora vai ficar tudo bem com o desenvolvimento do pequeno.
Lucca e Bento

Lucca ajudando Antonio
Mayana, a babá de Antônio, veio morar conosco, quase solto rojões de alegria. Depois que ela chegou, ele voltou a comer direitinho e não fica mais tão nervoso. Bento também retomou a rotina. Antônio sentiu muito a ruptura, ele vivia irritado, gritava o tempo todo. Quando Mayana chegou, a criança mudou da água para o vinho. É pedir a Deus que ela fique por muito tempo.

Amigos para sempre
Diversão no parque
Consegui um novo emprego! Estou feliz por retomar a minha carreira, meu teste de dona-de-casa foi um desastre Braseeeeeelllll! Consegui uma secretária do lar para ficar aqui em casa.

Aos poucos tudo se encaixa e volta para o eixo novamente.

Vou tentar manter a rotina novamente aqui do blog. Daqui pra frente, tudo vai ser diferente!!!!!