Antônio

Antônio

quarta-feira, 22 de maio de 2013

A roupa robótica

Por indicação de Júlia Figueiredo, li o texto do Jairo Marques, na página da folha e o mesmo me fez pensar muito sobre muitas coisas.

O autor, que é cadeirante, discorre sobre a invenção do cientista Miguel Nicolelis, que possibilitará uma criança deficiente chutar a bola de abertura da Copa do Mundo.
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/109940-o-pontape-do-robo.shtml

Ora, eu como mãe de um cadeirante, logicamente imagino meu filho com uma roupa dessas, sonho e o sorriso brota na minha face. Porém, logo em seguida, visualizo o contexto global, em que isso seria realmente útil na vida prática de meu filho?

Tal roupa não favoreceria em nada na melhora do quadro dele, simplesmente, ele estaria montado, fixado com algumas amarras e sendo "empurrado" para frente por um dispositivo robótico.

Todo esse dinheiro poderia estar sendo destinado em pesquisas, também científicas, que ajudariam sim a melhorar a vida de um portador de lesão medular, seja ela congênita ou adquirida. Não falo apenas no andar em si, pois, volto a repetir, esse é o menor dos problemas que meu filho enfrentará na sua vida adulta, mas, melhorar o funcionamento da bexiga, do intestino, podendo assim, se livrar das fraldas. Isso sim é um sonho para mim. 

A mielo não escolhe classe social para atingir, é uma condição onerosa, que requer cuidados e conhecimentos, porque ninguém destina uns bons milhões pra doação e AJUSTE de cadeira de rodas? Porque é tão difícil as prefeituras cumprirem sua parte dando os insumos necessários para realização do CAT, sempre é preciso recorrer à Justiça (salvo algumas exceções)? 

Quero aqui reafirmar que admiro muito o trabalho do cientista Nicolelis, minha opinião é de vivência mesmo, não precisamos de robôs  precisamos de pesquisas direcionadas para a reabilitação mesmo. O fato de não andar não tira a vida de ninguém. A falta dos rins sim.

Menos vaidade e mais ação, por favor.

Um comentário:

  1. parabens pelo blog eu tb tenho mielo tb boa sorte vamos a luta cada dia mas.. sou vitor moraes de irara - baihia

    ResponderExcluir