Antônio

Antônio

domingo, 30 de dezembro de 2012

Absurdo

Com extremo pesar, leio, estupefata, na revista "Veja" de 2 de janeiro de 2013 (que já chegou na casa dos assinantes), a "pérola" de Lya Luft: "O politicamente correto agora é a inclusão geral, significando também que crianças com deficiência devem ser forçadas (na minha opinião) a frequentar escolas dos ditos 'normais' (também não gosto da palavra), muitas vezes não só perturbando a turma, mas afligindo a criança, que tem de se adaptar e agir para além de seus limites - dentro dos quais poderia se sentir bem, confortável e feliz".
CONCLAMO AS LIDERANÇAS DOS MOVIMENTOS SOCIAIS DE DEFESA DOS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA A EXIGIR DE LYA LUFT RETRATAÇÃO POR ESTAS ABSURDAS AFIRMAÇÕES!!!!! (Se ela não tiver condições de se retratar por ignorância dos avanços já alcançados com a educação inclusiva, que ela frequente seminários, que estude e se informe para que, num futuro próximo, tenha mais responsabilidades na hora de abordar temas que desconheça). - Katia Fonseca - via Facebook

Gostaria de dizer a Lya Luft que meu filho é deficiente, vai estudar onde eu achar que deva, pois, é um direito garantido pela Carta Magna Brasileira.

Gostaria de dizer ainda que a partir de hoje, no que depender de mim, a senhora Lya Luft não ganhará nem para o sal.

8 comentários:

  1. Amiga, manda uma nota de desagravo para a revista! As pessoas deveriam se informar antes de escrever coisas q não tem conhecimento! Ainda mais numa revista de circulação nacional, formadora de opinião. E a revista tem obrigação de revisar os artigos, já q é co-responsável pelas publicações... Lamentável...
    Bjssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fabi, já foi devidamente providenciado. Sabe o que vai acontecer? Nada. Como diz um amigo meu, a revista Veja é useira e vezeira do preconceito.

      Excluir
  2. Parabéns por sua observação.
    Infelizmente o comentário dessa senhora, mostra apenas a ignorância elitista que ainda impera em nossa sociedade.
    Abç
    Iehuda Peres

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma honra ter um comentário seu em meu pequeno blog. Muito obrigada pela visita e pelo comentário.

      Excluir
  3. Nossa, que horror..,imagina amiga, quem esperava um comentário tão desrespeitoso e preconceituoso dessa escritora..
    Parabéns pelo seu blog Yanna, este sim é digno!

    ResponderExcluir
  4. Existia uma comunidade no Orkut chamada "Leu na Veja? Azar o seu!". Sugestao: pare de ler/comprar esse lixo disfarçado de revista que so serve para atender a interesses comerciais disfarçados de matérias jornalisticas (lembre-se da matéria de capa "Parece milagre" que fazia publicidade descarada para um remédio contra a diabetes, vendendo-o para um publico à procura de uma formula magica para emagrecer).

    A revista Veja é um lixo que serve apenas para reproduzir preconceitos de uma parcela cada vez mais reduzida, embora ainda muito influente, da sociedade.

    Uma afiremaçao absurda como essa da Lya Luft nao me surpreende nem um pouco. Porque a politica dessa revista e de seus articulistas é falar aquilo que eles acham ser a verdade sem jamais perguntar para quem esta envolvido diretamente com o tema quais sao as opinioes deles. Assim, vao falar sobre feminismo, direito dos homossexuais, dos negros, dos deficientes, SEMPRE da perspectiva daqueles que nao sofrem com o machismo, com a homofobia, com o racismo e com todas as formas de exclusao, preconceitos e discriminaçoes que existem. Isso porque a Veja é porta-voz daqueles que discriminam, oprimem e excluem.

    JOGUE A VEJA NA LATA DO LIXO E SEJA FELIZ!

    ResponderExcluir
  5. Concordo 100% com todos. Inclusive com o sr. Anônimo. Se nós produtores, excluídos, toda a sorte de rejeitados ansiamos por um mundo melhor, devemos boicotar o mundo podre construído. Veja, Globo, Estado, estes são out-doors deste mundo que odiamos. Rejeitemos todos pois.

    ResponderExcluir